Veja minha participação no Jornal da Gazeta

July 21, 2017 |

Televisão

Uma ótima programação cultural, sem sair da Avenida Paulista. O Itaú Cultural acaba de inaugurar a Ocupação Aracy Amaral, exposição que reverencia a atuação da curadora de 87 anos, cuja trajetória no mundo da Artes Visuais ostenta a realização de mais de 50 mostras importantes no Brasil e no exterior. Entre os muitos livros que publicou, sobre o modernismo e o construtivismo Brasileiros e a arte latino-americana, Aracy foi a primeira a publicar um livro sobre a vida e obra de Tarsila do Amaral, sua tia. Além disso, dirigiu museus, realizou várias pesquisas em artes visuais, foi professora e continua atuando como curadora. Com foco na pluralidade de sua atuação, a mostra aborda as diversas facetas de Aracy, por meio de fotos, documentos, áudios e livros.
O Centro Cultural Fiesp recebe a 18ª File. O festival, o maior de arte e tecnologia da América Latina, reúne mais de 350 obras, que prometem despertar sensações e experiências únicas no público. São instalações como a que solta bolhas de sabão por meio de grandes buzinas; uma nuvem brilhante que respira, e corpos que tentam se encaixar entre retângulos animados e grandes infláveis. A entrada é gratuita.
No Teatro Eva Herz, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, entra em cartaz o musical cômico “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, adaptação da obra homônima de Machado de Assis. Sucesso nos palcos, nos anos 90, a montagem retorna em nova produção, estrelada pelo ator Marcos Damigo e dirigida por Regina Galdino. O monólogo é uma metáfora do Brasil sem projeto; enfatiza a trajetória do anti-herói Brás Cubas, o cidadão sem escrúpulos e sem ética, que nos revela a continuidade de um comportamento oportunista que persiste no Brasil desde o século 19. Ou bem antes. Mais atual, impossível.
É bom não esquecer que a mostra de Toulouse Lautrec continua em cartaz no MASP. E a Japan House apresenta a obra de Kengo Kuma. Boa Noite




Veja minha participação no Jornal da Gazeta

July 14, 2017 |

Televisão

O rabino escritor Nilton Bonder e a atriz e diretora Clarice Niskier acabam de estrear A Cabala do Dinheiro, no Teatro Eva Herz, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional. A dupla já nos deu um espetáculo inesquecível, A Alma Imoral, em cartaz sem interrupção há 11 anos. Esta nova montagem é baseada no livro homônimo de Bonder, com extratos de outros dois livros, a Cabala da Inveja e a Cabala da Comida, que formam sua trilogia da Cabala. Seguem a máxima judaica que diz que “uma pessoa se faz conhecida por seu copo, seu bolso e seu ódio”. Nesta peça, Clarice adaptou o texto e dirige os atores Leticia Tomasella e Marcos Reis, ora narradores ora personagens. Nas histórias, a relação do indivíduo e da sociedade com o dinheiro, a prosperidade, o compartilhamento, a abundancia e a escassez. A peça é uma discussão ética sobre a mágica das trocas humanas.
O Itaú Cultural apresenta hoje a Filafro – Filarmônica Afro Brasileira, no espetáculo “Pra Não Ficar Parado”. No repertório, ritmos tradicionais do Brasil: baião, maxixe, samba e choro, além do angolano quizomba. Sob regência do maestro Josoé Polia, a filarmônica se apresenta com 16 músicos, e conta com a participação especial do pianista cubano Pepe Cisneros. Uma especialidade são versões orquestradas com características africanas para composições de Paul McCartney, Tom Jobim e Vinícius de Moraes, Guerra Peixe, os contemporâneos Yaniel Matos e Sara Negritri, e o próprio Polia, que terá duas músicas inéditas apresentadas.
E o Sesc Pompéia apresenta, amanhã e domingo, o “Concerto Homenagem a Liége Piazzolla”, obra de Astor Piazzolla. Artistas argentinos e brasileiros se reunem neste tributo ao maestro e compositor portenho Piazzolla, falecido há 25 anos. A formação é inédita e traz, entre outros, músicos como Eduardo Isaac, considerado o melhor intérprete de Piazzolla em violão do mundo, Daniel Binelli, bandoneonista que tocou com o mestre, além de Claudio Cruz, violinista brasileiro, spalla e regente da Osesp, vencedor do Grammy Latino em 2002. Boa Noite.