Veja minha participação no Jornal da Gazeta

June 23, 2017 |

Televisão

A obra de Henri de Toulouse-Lautrec ganha a maior exposição já realizada no Brasil, a partir da próxima quinta-feira, no MASP. São 75 pinturas, cartazes e gravuras, entre as mais emblemáticas criadas pelo artista, que reproduzem a agitada vida noturna parisiense do fim do século 19, que Lautrec frequentava com assiduidade. Lá estão seus cabarés, cafés, salas de concerto, bordéis, e seus personagens. Lautrec, que já tinha problemas físicos congênitos, e media apenas 1,47m, morreu aos 36 anos, vítima do alcoolismo e da sífilis. Mesmo tendo vivido tão pouco, é considerado um dos principais pós-impressionistas, ao lado de Van Gogh, Gauguin e Cézanne. Só do Masp estarão expostas 9 das 11 pinturas de Lautrec do acervo, o maior conjunto da América Latina. As demais vêm de mais de 20 coleções públicas e privadas importantes da Europa, Estados Unidos e Austrália.
No mesmo clima de revisita à história da arte, a Pinacoteca abre amanhã uma grande mostra de arte portuguesa do século 19, com 107 obras entre pinturas, esculturas, desenhos e gravuras do acervo do Museu Nacional de Soares dos Reis, na cidade do Porto. As obras foram selecionadas pelos curadores, para evidenciar o intenção do período de construir uma arte nacional portuguesa. O mesmo se verificou no Brasil, e isso é facilmente comparável ao se visitar também o acervo exposto da Pinacoteca.
No teatro, a novidade é o espetáculo Nu de Botas no Sesc Belenzinho. Trata-se da primeira adaptação de um livro do escritor Antonio Prata, que assim segue a tradição de seus pais, o escritor e dramaturgo Mario Prata, e a jornalista e dramaturga Marta Góes. A dramaturgia é de Pedro Bricio, que também atua, e de Cristina Moura, que também dirige. Cinco atores narram histórias do menino Antonio, lembranças autobiográficas do autor.
No dia 30, outra novidade nos palcos: uma adaptação da Carmen, de Prosper Merimé, estréia no Teatro Aliança Francesa. A trágica paixão de Carmen e José é vivida por Natalia Gonsales e Flávio Tolezani. O texto é de Luiz Farina e a direção de Nelson Baskerville. Deve ser bom. Boa Noite.