Veja minha participação no Jornal da Gazeta

February 10, 2017 |

Televisão

O amor na era digital é o tema de fundo da peça Constelações, que Marilia Gabriela e Caco Ciocler estreiam hoje no Sesc Santana. O texto é do jovem inglês Nick Payne. A estreia foi em Londres, há cinco anos, e logo deu um importante prêmio ao autor, que ainda nem tinha 30 anos. O enredo às vezes aproxima e às vezes afasta os personagens, como se vivessem em vidas paralelas. O dinamismo das cenas e diálogos, as variações e os significados sublinhados por palavras, prometem surpresas. Os dois atores são pessoas muito especiais, e não teriam escolhido um texto que não os estimulasse. E a direção é de Ulysses Cruz, um craque.
O pintor José Antonio da Silva, o excepcional naif paulista cuja obra sempre esteve presente nas grandes coleções de arte, ao lado de modernistas e concretistas, merece agora uma bela mostra na Galeria Almeida e Dale, que realça alguns aspectos de sua criatividade. O artista, nascido em Sales Oliveira mas radicado depois em São José do Rio Preto, que lhe dedicou um museu, foi descoberto pela intelectualidade paulista no fim dos anos 40 e já em 1951 participou da 1ª Bienal Internacional de São Paulo. Morreu há 20 anos deixando um legado de cerca de 5 mil pinturas. A exposição que será aberta amanhã tem curadoria de Denise Mattar, que escolheu 50 obras ícones dos anos 40 aos 80.
E o Instituto Tomie Ohtake abre no dia 15 uma exposição do artista checo Jiri Kolar, conhecido dos paulistas por ter participado da 10ª Bienal Internacional, em 1969, e de uma grande mostra sobre os anos 60, em 2001 e 2002, MAM. Kolar pertenceu à vanguarda artística e literária de seu país. Teve muito sucesso como poeta, mas é mais lembrado por seus trabalhos de colagem e assemblage inspirados em textos, notícias, posições políticas. Teve de deixar seu país por ser contrário ao governo autoritário, e só pôde voltar depois da queda do comunismo. Suas obras, desde os anos 90, são disputadas em Praga. As que chegam, pertencem ao Museu Kampa. Aproveitem. Boa Noite.





Veja minha participação no Jornal da Gazeta

February 3, 2017 |

Televisão

Tem muita novidade chegando aos museus e galerias de São Paulo. O Museu de Arte Moderna, no Ibirapuera, abre na terça feira três novas mostras. Na sala grande, uma importante exposição de Anita Malfatti, um dos nomes de peso do modernismo brasileiro. A exposição comemora os 100 anos da primeira individual de Anita, em 1917, que marca o início do movimento modernista brasileiro, bem antes da semana de 22. Em crítica no Estadão, Monteiro Lobato elogiou o talento da artista, mas detestou seus modernismos. A curadora Regina Teixeira da Costa escolheu 70 obras, entre pinturas e desenhos de várias fases da carreira de Anita, e juntou a elas fotos e documentos de época. Na sala Paulo Figueiredo o MAM apresenta mostra que revive os breves anos da Galeria Domus, entre 1947 e 1951, pioneira do mercado de arte paulistano, especializada no modernismo. E o novo projeto parede do museu é assinado por Marcia Xavier, inspirado em rios e cidades.
Na Vila Madalena, o fotógrafo Bob Wolfenson abriu exposição de trabalhos recentes, no Anexo da Galeria Millan. São 28 fotos feitas em esquinas, cruzamentos e faixas de pedestres de 15 cidades do mundo. E a Galeria Raquel Arnaud recebe a arte do paulistano Tuneu. São papéis, telas e quatro esculturas, que marcam uma volta a este suporte depois de décadas. O hexágono é a inspiração para todas elas.
Nos Jardins, a Galeria Lume abriu exposição de Amalia Giacomini. Sua arte investiga, na pintura e no objeto, as superposições e transparências e seus efeitos óticos. A curadoria é de Paulo Kassab. A Galeria Baró abre amanhã mostra sobre a parceria das artistas Lea van Steen e Raquel Kogan. São 30 obras, entre vídeos, instalações e objetos interativos. Além das obras em conjunto, a mostra traz também uma seleção de suas produções individuais. Também amanhã a Galeria Nara Roesler abre a primeira individual do cubano Alexandre Arrechea no Brasil. Ele faz parte do coletivo Los Carpinteros, que já veio várias vezes. São cerca de 30 trabalhos, entre murais aplicados nas paredes da galeria, aquarelas e esculturas. Boa Noite.


Veja minha participação no Jornal da Gazeta

January 27, 2017 |

Televisão

A Pinacoteca de São Paulo anunciou esta semana que o projeto de incorporação do prédio da escola estadual, sua vizinha no terreno do Parque da Luz, finalmente vai se tornar realidade. No prédio da escola, cedido ao museu pelo Estado, depois de reforma, será inaugurada em 2018 a Pina Contemporânea. Ou seja, o novo espaço de quase 7 mil metros quadrados será dedicado às obras do acervo do museu que datam do século 21, e a mostras de arte contemporânea. O projeto é do tempo em que Marcelo Araujo era diretor do museu. Ou seja, tem uns dez anos. E, na época, contava com promessa de patrocínio do Banco Safra. Agora foi anunciado que os 5 milhões para a adaptação inicial do prédio serão captados na iniciativa privada. Com esta nova conquista, a Pinacoteca dividirá seu acervo pelos seus 3 edifícios, deixando a arte acadêmica e moderna no prédio principal, a arte dos anos 70 aos 2000 na Estação Pinacoteca, e a arte atual no prédio novo.
E os palcos paulistanos já retomaram seu ritmo. Aos espetáculos em cartaz se soma hoje um que promete ser sucesso. Trata-se da estréia do musical Roque Santeiro, texto de Dias Gomes proibido durante a ditadura, depois transformado em novela histórica pela TV Globo, há mais de 30 anos. Esta montagem tem direção geral de Débora Dubois e música de Zeca Baleiro. Os personagens de Chico Malta e Viúva Porcina, imortalizados por Lima Duarte e Regina Duarte, serão vividos agora por Jarbas Homem de Melo e Livia Camargo. Flavio Tolezani faz Roque Santeiro. Mas Zeca Baleiro avisa: o musical é diferente da novela desde o texto até a música. No Teatro FAAP.
Outro espetáculo que estréia hoje e certamente vai divertir é Loucas por Eles, com elenco comandado por Sueli Franco e direção de Fernando Cardoso. Também no palco, Vera Mancini, Cintia Fallabela, Ellen Rocche e Fafá Rennó. O texto é do argentino Marcos Carnevale, autor de Elza e Fred, sucesso no cinema. A versão é de Walcyr Carrasco. Cinco mulheres ficam presas num aeroporto e conversam. Só falam deles. No Teatro Fernando Torres, no Tatuapé. Divirtam-se. Boa Noite.