Veja a minha participação no Jornal da Gazeta

October 31, 2013 |

Televisão

Estes são dias de palcos agitados por teatro, dança e música, em São Paulo. No Centro Cultural Banco do Brasil, no Centro, estreia hoje a peça Pedro e o Capitão, do uruguaio Mario Benedetti, escrita em 1979, quando o Cone Sul da América estava começando a sair das trevas da repressão. Fala sobre a relação entre torturador e torturado. Direção de Marcos Loureiro, com Kiko Vianello e Fernando Belo. A peça faz parte de um contexto mais amplo, já que o CCBB está apresentando a mostra Resistir é Preciso, criada pelo Instituto Vladimir Herzog, sobre a resistência à ditadura militar nos meios de comunicação. Até 13 de dezembro.
A outra estreia teatral da semana traz à cidade Marco Nanini, com a comédia A Arte e a Maneira de Abordar seu Chefe para Pedir um Aumento… Nanini estará sozinho no palco, fazendo o que mais sabe, ou seja, arrancar gargalhadas do público, com esse texto do francês George Perec, que já foi testado com sucesso em sete capitais. É claro que o humor está calcado numa crítica à sociedade moderna e ao mundo corporativo. A direção é de Guel Arraes. A partir de amanhã, e por um mês, no Sesc Vila Mariana.
Começa hoje o Festival Contemporâneo de Dança 2013. Os convidados estrangeiros são Ivo Dimchev, de Bruxelas, Sofia Dias e Vitor Roriz, de Lisboa, e Jared Gradinger e Angela Shubot, de Berlim. Os participantes brasileiros são Fernando Belfiore, de São Paulo, Michelle Moura, de Curitiba, e Alejandro Ahmer, de Florianópolis. As seis coreografias se sucedem nos palcos da Funarte e da Galeria Olido, até o dia 24 de novembro. A programação completa de danças e workshops está em festivalcontemporaneodedanca.com.
Nos próximos dias, as temporadas de 2013 da Cultura Artística e do Mozarteum fecham o ano, com ótimas apresentações alternando-se na Sala São Paulo. O Cultura Artística traz o grupo holandês de cordas Combattimento Consort Amsterdam, dirigido por Jan Willem de Vriend, trazendo como solista convidado o celista britânico Thomas Carroll. De Vriend está se despedindo do conjunto de 16 músicos, para seguir carreira solo como regente da Sinfonica da Holanda, a partir de janeiro. O grupo se apresenta no sábado e na quarta dia 6, com um programa que têm obras de Mozart, Haydn e Rameau.
O Mozarteum ocupa o mesmo palco nos dias 4 e 5, com sua última atração, a Sinfônica de Bucareste. Comandada pelo francês Benoit Fromanger, e com solo do violinista alemão Erik Schumann, a jovem orquestra romena, já considerada uma das melhores do Leste Europeu, apresenta dois programas só com obras de Dvorak e Tchaikovsky.


Veja a minha participação no Jornal da Gazeta

October 24, 2013 |

Televisão

Muitas novas montagens teatrais e um Beatle agitam a cena paulistana nos próximos dias. Regina Duarte estreou no fim de semana a peça Bem-vindo Estranho, um texto da britânica Angela Clerkin, que além de dramaturga é roteirista de cinema, escritora, jornalista e atriz. Regina vive uma mãe da classe trabalhadora inglesa que manipula a filha, uma jovem advogada vivida por Mariana Loureiro. A relação se complica, e muito, com a chegada de Joseph, interpretado por Kilo Bertholini. Direção de Murilo Pasta, que já dirigiu séries para a BBC e está dirigindo um espetáculo a estrear na Broadway. Até 15 de dezembro no Teatro Vivo, no Morumbi.
Karin Rodrigues também estreou no fim de semana, uma peça sobre duas mulheres unidas pela solidão, que tentam construir uma relação a partir de identificações. Divide o palco com a atriz Amazyles de Almeida. Uma velha colecionadora de gibis e uma jovem professora de literatura. O embate é forte, mas engraçado. O texto é do catalão Josep Maria Benet i Jornet, traduzido por Clarisse Abujamra, e dirigido por José Sebastião Maria de Souza. O espetáculo fica em cartaz até 15 de dezembro, no teatro Eva Herz, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, na Avenida Paulista.
Outro bom espetáculo é o que apresentará o Sesc Ipiranga a partir de sábado. Trata-se de Circo Negro, do festejado autor argentino Daniel Veronese, montado pela Companhia Senhas de Curitiba, dirigido por Sueli Araujo. Neste enredo também há humor e crueldade, movimentos repentinos, realidade e ficção, com visível influência de Becket e Brecht. É teatro dentro do teatro, com inserção de números circenses. A temporada vai até 8 de dezembro.
Um Shakespeare não poderia faltar numa boa semana teatral. Uma nova montagem do Ricardo III estreia hoje no teatro João Caetano, próximo à Estação Santa Cruz do Metrô. Puxam o elenco de 13 atores, Chico Carvalho, Maiara Magri, André Correa e Imara Reis. No fim da Guerra das Rosas, as casas de York e Lancaster disputam o trono da Inglaterra, com toda a crueldade e a sordidez esperadas. O grupo que se reuniu neste projeto pretende, em dez anos, montar todas as 39 peças do autor inglês, numa iniciativa pioneira no Brasil. Esta fica um mês justo em cartaz.
Finalmente, um pouco mais de sotaque britânico no show que o Beatle Ringo Starr e seu conjunto fazem terça-feira dia 29, no Credicard Hall.
Os dez shows pela América Latina e os últimos dois em Las Vegas, terminam uma turnê que começou no meio do ano passado para lançar o DVD ao vivo gravado no Teatro Ryman, de Nashville, que tem todos os seus maiores sucessos. Ringo foi notícia, em junho, quando o Museu do Grammy abriu uma mostra sobre ele, a primeira sobre um baterista.



Espelho para Cegos

October 21, 2013 |

Cultura

1381629_344950982309206_1644602326_n
Meu amigo Caloca Fernandes me pede para contar a todos que o Teatro Vila Velha, de Salvador, está apresentando neste momento um espetáculo lindo, com um texto “deslumbrante e raro”, nas palavras dele. Trata-se de Espelho para Cegos, texto extraído de Teatro Decomposto ou O Homem Lixo, do romeno residente em Paris Matéi Visniec, com encenação de Marcio Meirelles. Matéi é considerado um dos maiores dramaturgos da atualidade, um surrealista comparável a Ionesco. Os textos dele são editados no Brasil pela É Realizações. Ele vem de Paris assistir ao espetáculo, na quarta-feira, quando dará uma palestra. A embaixatriz da Romênia estará presente. A peça já foi convidada a participar do Festival de Teatro de Belo Horizonte em janeiro de 2014.
O Teatro Vila Velha comemora 50 anos em 2014 e foi fundado pelo grupo Sociedade Teatro dos Novos do qual Sonia Robatto, mulher do Caloca, que viveu anos em SP e trabalhou para a Abril, é uma das atrizes participantes fundadoras.
A foto é da montagem: o ator Vinicius Bustani interpreta O Homem Lixo.


Veja a minha participação no Jornal da Gazeta

October 17, 2013 |

Televisão

A semana é carregada de eventos importantes. O mais ostensivo é a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que chega à sua 37ª edição. A abertura é hoje, no Auditiório Ibirapuera, com o filme dos irmãos Coen, Inside Lleewyn Davis, que ganhou o grande prêmio do Juri em Cannes este ano. Até o fim de outubro serão exibidos cerca de 350 títulos, em 28 endereços da capital, que variam de cinemas, a espaços culturais e museus. Homenagens a Stanley Kubrik, o documentarista brasileiro Eduardo Coutinho, e o cineasta filipino Lav Diaz. Muitos importantes convidados estrangeiros, no júri e fora dele. O Festival termina com o documentário Que Estranho Chamar-se Federico, de Ettore Scola, sobre Fellini, exatamente no dia 31 de outubro, 20º aniversário da morte deste ícone do cinema. A programação completa está mostra.org.
Cazuza ganha uma exposição sobre sua obra, a partir do dia 22, no Museu da Língua Portuguesa, na Luz.É o primeiro autor da música popular a ganhar esta deferência, num museu que já homenageou Fernando Pessoa, Guimarães Rosa e Rubem Braga, entre outros. Cazuza Mostra a sua Cara tem curadoria do cenógrafo Gringo Cardia, e quer mostrá-lo por inteiro, o poeta, o músico, o inconformado, o contestador, autor de vários slogans que a juventude adotou,e que tem tudo a ver com os jovens que saem às ruas pelo Brasil. A mostra fica até fevereiro.
A Fiesp, em sua galeria do Sesi, na Avenida Paulista, abriu esta semana uma imensa exposição de arte popular latino americana, com o acervo do Banco Nacional do México. São mais de 1300 peças, de cerca de 500 artistas, sendo quase 80 deles brasileiros, todas escolhidas pela curadora Candida Fernandez. A mostra saiu do México e já passou pela Espanha e Colombia. O material utilizado varia da cerâmica, madeira, papel, tecidos, fibras, até ouro e prata. A mostra fica até 19 de janeiro.
Destaques também na música. O Teatro Municipal de São Paulo abriu temporada de um programa duplo, com as óperas: Jupyra, de Antonio Francisco Braga, e Cavalleria Rusticana, de Mascagni. Ambas contemplam a natureza violenta e indiferente do amor. A sinfônica e os coros são dirigidos por Victor Hugo Toro. As montagens, pelo italiano Pier Francesco Maestrini. No palco, nomes reluzentes do cenário lírico internacional, como a soprano espanhola Angeles Blancas Gulin, a italiana Elena Lo Forte, e os tenores brasileiros Marcello Vannucci e Fernando Portari. Até o dia 27, são mais sete apresentações.
E na Sala São Paulo, neste sábado e domingo, se apresenta, na temporada 2013 da Cultura Artística, a centenária Sinfônica de Lahti, orquestra que tem sede nesta pequena cidade finlandesa. Sob direção de Okko Kamu, seu regente principal desde 2011, a orquestra traz como solista a violinista Elina Vähälä. As duas apresentações terão como ponto alto obras de Sibelius, o mais importante compositor finlandês. E mais obras de Bruch, Schumann e Beethoven. Agenda cheia!


Veja a minha participação no Jornal da Gazeta

October 10, 2013 |

Televisão

A pedidos, hoje vamos falar de dança, já que outubro e novembro, normalmente, trazem uma programação alentada no setor. De hoje ao fim do mês, o teatro Sérgio Cardoso apresenta a mostra Mais Sentidos, uma série de espetáculos realizados por artistas com e sem deficiência. São 10 grupos e solistas do Brasil, Portugal e Escócia. E a grande maioria dos espetáculos é de dança, com audiodescrição, legendas e acessibilidade total. Destaque para a coreografia no singular, da Quasar Cia de Dança, que tem a participação do público, e para os espetáculos Dez mil seres, da companhia portuguesa dançando com a diferença, e se estes espasmos pudessem falar, do escocês Robert Softley.
No Teatro Alfa, no domingo, reúnem-se várias estrelas da dança no espetáculo de gala Stars of Today Meet Stars of Tomorrow. Como o título indica, nomes como Marcelo Gomes, primeiro bailarino do American Ballet Theatre, Aurora Dickie, primeira bailarina do Washington Ballet, mais Ana Botafogo e Carlinhos de Jesus, num total de 30, dançarão com novos talentos surgidos no Young America Grand Prix, um concurso internacional que tem representação no Brasil.
O Sesc Vila Mariana apresenta, nas duas últimas semanas de outubro Logos-Dioálogos. O violoncelista Dimos Goudaroulis toca as 6 suites de Bach para violoncelo solo, enquanto o público vê coreografias criadas e dançadas por Jorge Garcia, Luiz Arrieta, Henrique Rodovalho, Tíndaro Silvano, Ismael Ivo e Deborah Colker, alguns em solo outros acompanhados de seus bailarinos.
No Sesc Santo Amaro, nos dias 29 a 31 de outubro, acontece o projeto de dança Modos de Existir Módulo III, com obras super contemporâneas, apresentando o balé discrepante, com o grupo da coreógrafa francesa Olivia Grandville; Colonia Penal, da Cia Borelli; feche os olhos para olhar da Descompanhia, do Paraná; Piquenique, do Ateliê de Coreografia, do Rio.
Na temporada de dança do Teatro Alfa, a próxima atração internacional é a Companhia Eastman, do marroquino Sidi Larbi Cherkaoui, radicado na Bélgica, conhecido no mundo todo, e autor da coreografia do filme Anna Karenina. Ele não virá. Seus 11 bailarinos dançam ao som do grupo a Filetta, da Córsega, e da voz da libanesa Fadia El Hage. Do dia 25 ao 27 de outubro.
Depois disso, o Alfa apresenta o mais recente trabalho de Bruno Beltrão, e seu grupo de rua, nos dias 9 e 10 de novembro. E fecha o ano com a chegada do grupo corpo, com a nova coreografia Triz, de Rodrigo Pederneiras, de 20 a 29 de novembro. O corpo sempre abre a temporada do Alfa, em agosto, e faz sua estreia nacional em São Paulo. Este ano fez ao contrário, estreou em BH, foi ao Rio e termina aqui.
Para terminar, uma correção: na semana passada, por um lapso, eu chamei o ícone da arquitetura carioca, Afonso Reidy, de Adolfo. A família reclamou, com razão. Minhas desculpas.