Veja minha participação no Jornal da Gazeta

July 4, 2014 |

Televisão

A Copa do Mundo não tem atrapalhado a agenda cultural paulista. Concertos, estreias teatrais, exposições têm acontecido normalmente. Também não mexeu com o Festival de Inverno de Campos do Jordão, tradição de 45 anos, que começa amanhã. Até 3 de agosto, o mais importante festival de música erudita da América Latina apresentará 27 concertos, e muitas máster-classes para os 145 alunos bolsistas, brasileiros e do exterior. Para a abertura, foi programado um concerto da Osesp no Auditório Claudio Santoro, com seus coros e solistas convidados, sob regência de Marin Alsop. Eles apresentam a nona sinfonia de Beethoven. Durante o festival, desfilarão pelo auditório e outros palcos, orquestras brasileiras dirigidas pelo costariquenho Giancarlo Guerrero, e por vários brasileiros, entre os quais Roberto Minczuk e John Neschling. Entre os solistas principais, o pianista brasileiro Arnaldo Cohen, o russo Kirill Gerstein e o trompista alemão Stefan Dohr. Durante o festival serão executadas obras da compositora convidada, a jovem inglesa Anna Clyne. Tanto ela quanto a maioria dos regentes e solistas darão aulas aos bolsistas. A programação completa está no site do festival.
O Museu de Arte Moderna de São Paulo abriu esta semana duas exposições em homenagem a Abraham Palatnik, que aos 86 anos continua sendo o grande mago da arte cinética no Brasil. Essa corrente, importante entre os anos 60 e 80, e hoje muito valorizada nos leilões internacionais, explora efeitos visuais por meio de movimentos físicos e ilusão de ótica. As duas mostras têm curadoria de Felipe Scovino e Pieter Tjabbes. Na grande sala do MAM, a mostra Palatnik A Reinvenção da Pintura é a maior retrospectiva já realizada sobre a obra do artista. São 97 trabalhos, sobre suportes variados. Na Sala Paulo Figueiredo, os curadores escolheram obras do acervo do museu, de 26 artistas cuja arte tem familiaridade com a de Palatnik. Boa noite.