Domingos Giobbi, o atleta

September 25, 2013 |

Ponto de Vista

Queridos, aí vai mais uma foto do meu pai, que se foi esta semana. Nenhum dos filhos ou netos é tão bonito ou talentoso quanto ele. E nenhum de nós tem o mesmo entusiasmo pela vida. Nesta foto ele ainda não tem 40 anos. Em 1964, no Iate Clube do Rio, no fim da regata Florianópolis-Rio, que ele venceu, com seu veleiro Bermuda, um classe Brasil de casco azul claro, com a vela BL 13, seu número de sorte. Aproveito para agradecer todas as centenas de mensagens que recebi no facebook. Estou tentando responder a todas as diretas, curtir as outras. Mas desde já, obrigado pelo carinho recebido. E aproveito também para informar que a missa de sétimo dia por meu pai será na segunda feira, dia 30, às 11h, na Igreja São José, rua Dinamarca, 32, Jardim Europa.

Domingos, tenis



Adeus a meu pai

September 23, 2013 |

Ponto de Vista

Caros amigos, meu pai se foi esta noite. Descansou e está em paz. Estou aliviado. Não aguentava mais vê-lo lutar para respirar. O velório será no Gethsemani a partir das 10h. E o enterro será às 16h. Abs a todos.



Maria Bonomi

September 21, 2013 |

Arte e Design

Ontem à noite foi colocada uma grande escultura de Maria Bonomi no fim da Av Paulista, ou começo, sei lá, na frente do Shopping Paulista, no Paraiso. O acaso fez um desagravo a Maria, que não foi incluída na seleção da mostra dos 30 anos da Bienal. Viva Maria!

Plexus maria bonomi
Crédito: Divulgação


Veja a minha participação no Jornal da Gazeta

September 19, 2013 |

Televisão

Uma semana de boas novas atrações. Maria Fernanda Candido e Reynaldo Gianecchini estreiam amanhã no Teatro Faap a peça A Toca do Coelho, do americano David Lindsay Abaire. A trama fala de um casal que tenta se recompor e tocar a vida após um perda inesperada. Vão da felicidade plena a um clima de culpa, recriminação e sarcasmo. O texto é ótimo e bem atual, tanto que ganhou o premio Pulitzer de 2007. A direção geral é de Dan Stulbach. A temporada vai até o meio de dezembro.
A Fundação Bienal de São Paulo abre no sábado, para o público, a mostra 30 x Bienal, Transformações na arte brasileira da 1ª à 30ª edição. De todos os artistas brasileiros ou residentes no Brasil que participaram das Bienais, desde 1951, o curador Paulo Venancio Filho escolheu cerca de 110, numa lista que vai de Volpi a Adriana Varejão, de Danilo di Prete a Beatriz Milhazes, passando por todos os grandes nomes das gerações das décadas de 50, 60, 70, 80 até hoje. As obras mostradas são as próprias apresentadas nas Bienais, ou da mesma série, emprestadas por coleções públicas e privadas. Eu já vi a mostra, e o resultado é uma agradável viagem no tempo, mas com gosto de passado. A maioria das obras escolhidas estão em suportes tradicionais: pinturas, esculturas, desenhos e fotos. A mostra evita mostrar as importantes rupturas que as Bienais documentaram. Mas vale por si, pela qualidade da seleção. Até 8 de dezembro, na Bienal, no Ibirapuera.
A cidade recebe domingo a visita de um dos mais famosos corais do mundo: o dos Meninos Cantores de Viena, que tem uma história de mais de cinco séculos. A apresentação é matinal: 11h no Teatro Bradesco, na Pompéia. Cantam um repertório religioso tradicional, com obras de Mozart, Mendelssohn, Haydn, antigos sucessos vienenses, e peças contemporâneas do grupo Abba e sucessos de Michael Jackson. Adaptados, é claro. Do grupo total de 100 coralistas, São Paulo recebe cerca de 25 deles, todos entre 10 e 14 anos.
E o Credicard Hall será a sede do Alvin Ailey American Dance Theater em sua temporada paulista, que vai de hoje a domingo. O balé, formado apenas por dançarinos afro-americanos, é conhecido pela contemporaneidade de suas coreografias, e pela qualidade de seus componentes. Criado por Ailey nos anos 50, depois dirigido por Judith Jamison, que veio ao Brasil várias vezes, é hoje comandado por Robert Battle. Nos dois programas que o grupo apresenta está a coreografia Revelations, criada por Ailey em 1960, e pelo menos uma obra de Battle.
Estão aí quatro sugestões para públicos diferentes, mas todas imperdíveis.