Veja minha participação no Jornal da Gazeta

December 16, 2016 |

Televisão

Uma nova montagem do aclamado musical Rent estreou esta semana no Teatro Shopping Frei Caneca. Em seu formato original, Rent está em cartaz na Broadway há 12 anos consecutivos. Produzida e estrelada por Bruno Narchi, a montagem é apresentada em horários alternativos: às terças e quartas-feiras. Em cena, um dia na vida de um grupo de jovens, em busca de seus sonhos e desejos. Susana Ribeiro dirige um grande elenco. “Rent” é a obra mais famosa de Jonathan Larson, que morreu de uma doença rara às vésperas da estréia, e não curtiu todos os prêmios que o texto e a montagem receberam.
O design italiano do pós guerra, e que se consolidou durante a década de 60, é o cerne da exposição que o Instituto Tomie Ohtake abriu esta semana. O acervo apresentado pertence à Fundação Cirulli, e traz quase 170 peças desenhadas por nomes como Bruno Munari e Giò Ponti. Estão lá produtos tão diversos como os desenhos do carro de corrida Cisitalia e da máquina de café Pavoni; as campanhas publicitárias para Fiat, Pirelli e Campari; e ícones modernos como a Lambretta.
E o Itaú Cultural abriga, até domingo, a terceira edição do Slam Br, Campeonato Brasileiro de Poesia Falada. O que é slam? É mais do que declamação. Fica entre o rapp, o teatro e a performance. Porque o corpo também fala. Tem forte apelo político e social. É claro que é coisa de jovens, pelo mundo todo. Uma batalha de poesia. Mas tem muito veterano participando e arrancando aplausos da garotada. Quem vencer aqui participa da Copa do Mundo de Slam na França. A modalidade surgiu nos Estados Unidos em 1980, e chegou por aqui em 2008. Hoje é celebrada em mais de 500 comunidades pelo mundo. E o Brasil é sempre muito bem representado. Entre os participantes, destaca-se a slammer surda Catharina Moreira, que venceu o campeonato Slam do Corpo com sua dupla Cauê Gouveia. A Slam Br é apresentada pela atriz e slammer Roberta Estrela D’Alva. Boa Noite.