Veja minha participação no Jornal da Gazeta

October 28, 2016 |

Televisão

Estamos em plena temporada cultural. A agenda da cidade está abarrotada. Escolher é um dilema. Nas artes visuais, destaque para a mostra da obra de Eliseu Visconti que a Galeria Almeida e Dale abre amanhã. Uma mostra de Visconti, precursor da arte moderna, é uma raridade. Encontrar 40 pinturas suas, do fim do século 19 até meados da década de 30 é um privilégio para os interessados. Outra mostra importante é a que o Centro Cultural Bando do Brasil abre no feriado do dia 2 sobre a arte de Hector Zamora. O artista mexicano, que já morou no Brasil e hoje vive em Lisboa, traz desenhos, esculturas, instalações e vídeos, e faz uma performance especialmente criada para o grande átrio do CCBB. Além disso, também no dia 2 abre a Feira Parte, de arte contemporânea, na Hebraica. São mais de 40 galerias, a maioria de São Paulo, de outras capitais brasileiras e muitas argentinas. A Parte traz uma arte acessível, para novos colecionadores.
No teatro, destaque para duas montagens que vão ocupar o teatro do Masp em novembro. Ambas dirigidas por Elias Andreato. Do dia 3 ao dia 13, estará em cartaz Camille e Rodin, sobre a história de amor entre os escultores Camille Claudel e Auguste Rodin, com Leopoldo Pacheco e Melissa Vettore. Do dia 17 ao 27, será apresentada a peça Isadora, sobre a bailarina Isadora Duncan, com Melissa Vettore e Daniel Dantas.
A grande estréia teatral no entanto é hoje, no teatro Vivo. Chega do Rio o musical Jim, com Eriberto Leão vivendo um fã de Jim Morrisson, vocalista do The Doors, que morreu há 45 anos. Através dele a peça mostra toda a música, a poesia e a rebeldia desse ícone do rock dos anos 60. E falando em rebelde a grande Elza Soares está em cartaz até amanhã no Sesc Pinheiros, cantando as músicas de seu recente álbum, a Mulher do Fim do Mundo, agora lançado em vinil. Elza está sentada num trono, no meio de um cenário que tem mil sacos plásticos de lixo. Só ela mesmo. Boa Noite.