Veja minha participação no Jornal da Gazeta

May 6, 2016 |

Televisão

Uma das mais importantes orquestras europeias toca amanhã e domingo na Sala São Paulo. Pela temporada do Cultura Artística, chega a centenária Orquestra da Academia Nacional de Santa Cecilia, de Roma, dirigida pelo ítalo-britânico sir Antonio Pappano. Vem junto a jovem revelação do piano, a italiana Beatrice Rana, para tocar o Concerto N° 1 de Tchaikovsky. Que por sinal ela acaba de gravar com a orquestra. Ainda no programa, a Abertura da ópera La Forza del Destino, de Verdi, e, amanhã, a Sinfonia n° 5 de Tchaikovsky, e no domingo, a Sinfonia n° 3 de Saint Saens.
Outra opção sofisticada da agenda da semana é a exposição que abriu ontem no Sesc Pompéia sobre a obra de nosso poeta concreto Augusto de Campos. O curador Daniel Rangel escolheu 75 obras para abranger os 65 anos de produção do consagrado autor paulistano. São poemas que saem dos livros para se transformarem em serigrafias, objetos, colagens, instalações, áudios e vídeos em 3D. A mostra chama-se Rever, a apresenta novas leituras para muitos dos trabalhos. Campos, com seus 85 anos, continua uma cabeça privilegiada e ativa.
Um novo texto do dramaturgo paulistano Sergio Roveri estréia hoje na cidade, no teatro do Sesc Santana. Chama-se Não Contém Gluten. Os atores Bia Seidl e Pascoal da Conceição ficam confinados numa área de 4 metros quadrados, sem elementos de cena, para ressaltar ainda mais a angustia e a perversidade vivida pelo casal, numa noite muito quente, em que recebem outro casal para jantar. Direção de José Roberto Jardim. Bia é vestida por Lino Villaventura.
E no Tuca, a partir de amanhã, Pedro Paulo Rangel e Cassio Scapin, dirigidos por Jô Soares, prometem fazer as plateias gargalharem no espetáculo Histeria, do inglês Terry Johnson. O texto, de 1993, que já teve direção de John Malkovich, conta um encontro entre Salvador Dali e Sigmund Freud, que teria acontecido em 1938.
Boa noite.