Veja minha participação no Jornal da Gazeta

October 23, 2015 |

Televisão

O Sesc Pinheiros estreou ontem o espetáculo Doppelgänger, o Mito do Duplo, escrito e dirigido por um dos magos do teatro e cinema nacionais, Domingos de Oliveira. Conta a história de um casal de atores que vive um casamento insuportável, até que o marido sai de casa. Mas fica o seu duplo, e o que era ruim fica pior. As cenas se passam no consultório do analista do casal. Um misto de terror e humor. Em cena Ricardo Kosovski, Priscilla Rozembaum e André Mattos. Até 14 de novembro.
Outro destaque da semana é a restrospectiva da pintura de Yolanda Mohalyi, com lançamento de livro sobre sua vida e obra, amanhã na Dan Galeria. Yolanda foi uma pintora de grande qualidade, do figurativo ao expressionismo abstrato. Chegou da Hungria nos anos 30 e radicou-se em São Paulo. Estudou com Lasar Segall, frequentou todos os grandes artistas de sua geração e participou de duas Bienais. A homenagem, há 36 anos de sua morte, é mais do que oportuna. Maria Alice Milliet conta sua vida, no livro, num texto muito agradável.
E no dia 28, a Galeria Almeida e Dale abre uma mostra de pinturas e desenhos de Ismael Nery, o grande ícone do modernismo brasileiro. Uma mostra de Nery é sempre um acontecimento, já que das cerca de 100 pinturas que concebeu em sua curtíssima vida, 1900 a 1934, a maioria está em coleções privadas. E só reaparecem nestas ocasiões. A mostra reúne mais de 60 obras, entre pinturas, aquarelas e desenhos. Até 12 de dezembro.
No Jockey Club, vai até o dia 8 de dezembro o festival Vivo Open Air, com uma plateia ao ar livre para 1400 pessoas. Numa tela do tamanho de uma quadra de tênis são exibidos clássicos como E.T., O Mágico de Oz, Pulp Fiction, O Iluminado, Mad Max e Jurassic Park. No palco, shows de Arnaldo Antunes e Preta Gil. A programação completa está em sp.openairbrasil.com.br.
Boa Noite.





Veja minha participação no Jornal da Gazeta

October 16, 2015 |

Televisão

Milan Kundera, o escritor checo sempre lembrado para o prêmio Nobel, autor de “A Insustentável Leveza do Ser”, escreveu apenas uma peça teatral: Jaques e seu amo, uma comédia em três atos em homenagem a Diderot. Inédita no Brasil, a peça chega ao Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo, com direção do craque Roberto Lage, e um elenco de ótimos atores que tem Hugo Possolo, Edgar Bustamante e Renata Zhaneta, entre outros. Numa jornada a pé, no século 18, um cavalheiro e seu criado rememoram aventuras e desventuras amorosas. O texto é do tempo da dominação soviética na antiga Tchecoslováquia, e é propositadamente politicamente incorreto. Até 13 de dezembro.
O Auditório Ibirapuera estará especialmente animado neste fim de semana. Hoje e amanhã, a Orquestra Jazz Sinfônica, comandada por João Mauricio Galindo, faz uma homenagem a Jorge Mautner, com ele no palco, tocando seus sucessos. E no domingo à tarde, para a plateia externa, e com entrada franca, a segunda edição do evento “Trip Música e Transformação” faz uma homenagem a Caetano Veloso, com Jards Macalé, Fafá de Belém e Paulo Ricardo cantando suas canções.
A Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo é regida, esta semana, pelo maestro sueco Ragnar Bohlin. O programa de hoje e amanhã, na sala São Paulo, tem o Adagio de Albinoni, o Stabat Mater de Pergolesi e o Gloria de Poulenc, cantados pelo coral da Osesp com solos da soprano Marilia Vargas e da mezzo Luiza Francesconi. A Osesp, por sinal, já anunciou suas atrações para 2016. Com 32 semanas de assinatura, terá dez programas comandados pela regente titular Marin Alsop. Os outros concertos terão maestros convidados, como Giancarlo Guerrero e Sir Richard Armstrong. Entre os solistas, a pianista venezuelana Gabriela Montero, a violoncelista argentina Sol Gabetta e o percussionista escocês Colin Currie. Promete.
Boa noite.