Salão Internacional do Móvel de Milão 2016

|

Arte e Design

Salão de Milão Estande da MDF Itália, no Salão Internacional do Móvel de Milão. Foto: Divulgação

Dicas de Helio Bork, direto do Salão de Milão:
“Os materiais e cores estão bastante definidos. Cinza é a cor ! E é somente a confirmação do ano passado e a semente do retrasado que se mantém fortemente. A princípio era algo como uma mescla de beige e cinza, aqui apelidada de “Greige”. Agora porém cinza mesmo, desde a mescla até o grafite escuro quase preto. Nas madeiras, o cinza não vem mais predominante na forma de laca, mas sempre com os veios visíveis e, em sua grande maioria, aplicado ao Carvalho, ou Nogueira.
Tecidos sempre naturais mas, sempre em cinza. Ainda tintas que simulam metais sobre as madeiras, como estanho, aço cortem e latão. Aliás, o latão está Vivo ! Aplicado em diversos detalhes o próprio latão, vê-se presentes.
Muitas peças ressuscitando antigos desenhos dos anos 40 e 50. Destaque para a fantástica escrivaninha desenhada por Michele De Lucchi para a Molteni&C. Diga-se de passagem, o stand da Molteni é o mais bem montado da feira. Ainda sobre as marcas, destaque para no novo sofá de Patricia Urquiola para a Moroso. Jean-Marie Massaud fez seu melhor projeto para a MDF Italia. Uma nova coleção de cadeiras que provavelmente, tudo indica será a nova sensação do mercado.”


Veja minha participação no Jornal da Gazeta

April 15, 2016 |

Televisão


A arte de Lasar Segall é revisitada em exposição da Pinakoteke Cultural, que será aberta amanhã, na sede da instituição, no Morumbi. Sobretudo sua arte gráfica, suas gravuras em metal, xilos, aquarelas e desenhos a tinta preta e grafite. Só algumas pinturas e esculturas. Praticamente todo o acervo apresentado pertence a descendentes do pintor, e portanto novo para o mercado. A mostra elucida a trajetória de Segall, dos anos 10 aos 50 do século passado. Um livro foi editado para completar a informação da exposição.
A peça “Sinal de Vida”, de Lauro Cesar Muniz, de 1972, conta a luta de um ativista político em busca de sua companheira, desaparecida nos calabouços da ditadura. A peça foi proibida na época, apesar de vencer o prêmio Molière, e só liberada em 1979, quando foi montada no Auditório Augusta por Antonio Fagundes, dirigido por Oswaldo Mendes. Inspirada em fatos reais, “Sinal de Vida” volta ao cartaz no mesmo Teatro Augusta, às quartas e quintas-feiras, agora sob a direção de Heitor Saraiva e com Beto Bellini e Dani Brescianini no elenco.
Rock’n roll não é mais coisa de garotos há muito tempo. Os Rolling Stones são prova disso. Um encontro de maduros do rock acontece até domingo no Sesc Pompéia, reunindo os Titãs de Branco Mello, Paulo Miklos, Sergio Britto e Tony Bellotto e o veterano Walter Franco. Eles mostram sucessos antigos e novos, e cantam com Franco sucessos dele como o famoso “Canalha”, que por sinal, os Titãs gravaram.
No mesmo Sesc Pompéia, a família Wisnik, José Miguel e os filhos Guilherme e Marina, mais Laura Vinci, mulher de José Miguel, se reunem num programa de shows, encontros sobre arte e oficinas de poesia. Como são quatro cabeças privilegiadas, o resultado deve ser bom. O projeto chama-se “O Ovo e o Voo”, e estará em cartaz de hoje a domingo dia 24.




Veja minha participação no Jornal da Gazeta

April 8, 2016 |

Televisão

A 12ª edição da SP-Arte, a mais importante feira de arte da América Latina, está em cartaz no Pavilhão da Bienal, no Ibirapuera, até domingo. O evento conta com 140 galerias, sendo 39 delas internacionais. Ligeiramente menor, este ano, o que era esperado, devido à crise que atravessamos. A de 2015 já tinha sido entre 10 e 12% menor que a anterior em valor de negócios. Mesmo assim, as grandes galerias brasileiras vieram todas, e de fora os destaques são a David Zwirner, de Nova York, as inglesas White Cube e Lisson e as italianas Continua e Cardi. Uma das novidades é um espaço dedicado ao mobiliário antigo, moderno e contemoraneo.
Amanhã, o Museu de Arte Moderna de São Paulo promove performance inédita do artista russo Fyodor Pavlov-Andreevich. Ele posará como modelo vivo, nu, por cinco horas, para quem quiser desenhá-lo, dentro do ambiente da mostra “Educação como matéria-prima”. A cada 15 minutos o artista troca de posição e os participantes trocam de cadeira, em sentido anti-horário, e começam um novo desenho. Na ação, o artista também convida as pessoas a se despirem e entrarem na performance. Para participar, é preciso ser maior, ou ter consentimento de pais ou responsáveis.
No Teatro Sérgio Cardoso, Ary França comanda o elenco do clássico “Esperando Godot”, de Samuel Beckett. Além da peça, o público também poderá ver, no saguão, o figurino que Cacilda Becker usou na histórica montagem de Flávio Rangel, de 1969. No papel de Estragon, um personagem masculino, a atriz teve um derrame cerebral em cena, e morreu dias depois, aos 48 anos. Esta semana Cacilda teria completado 95 anos.
O Sesc Pompeia, na capital paulista, recebe o espetáculo “Processo de Conscerto do Desejo”, dirigido e encenado por Matheus Nachtergaele. A montagem é uma homenagem do ator à mãe, a poetisa Maria Cecília Nachtergaele, que morreu quando ele tinha três meses de vida. O ator declama os poemas da mãe.
Boa Noite.