Veja minha participação no Jornal da Gazeta

June 12, 2015 |

Televisão

Cândido Portinari ganha uma exposição que revisita sua obra, na Galeria Almeida e Dale. São 35 pinturas, todas consideradas emblemáticas, escolhidas a dedo por Denise Mattar em fundações e coleções privadas de várias capitais. O foco da mostra surgiu de pesquisa da curadora sobre dois acontecimentos marcantes do Modernismo no Brasil: o 38º Salão de Belas-Artes, no Rio, em 1931, e a Exposição de Arte Moderna, de 1944, em Belo Horizonte. Portinari teve papel decisivo nos dois eventos, tornando-se protagonista da expansão do Modernismo no país. Na mostra, há várias obras que estiveram nas duas exposições históricas. A galeria e a curadora estão revisitando a arte moderna brasileira. Nos últimos tempos, montaram exposições de Volpi, Guignard e Willys de Castro. A mostra de Portinari abre na quinta feira e fica em cartaz até 15 de agosto.
A Parte, Feira de Arte Contemporânea, está em cartaz até domingo com uma edição especial e compacta no terceiro andar do Shopping Cidade Jardim. A Parte, no formato conhecido, acontece só em novembro. Nesta, estão reunidas apenas 13 galerias, quase todas de São Paulo. O foco é um garimpo de uma arte não obrigatoriamente feita por jovens, mas acessível aos novos colecionadores.
E foi anunciada a programação do Festival de Inverno de Campos do Jordão, o mais importante evento de música clássica da América Latina. A abertura oficial será no dia 4 de julho, com um concerto da Osesp e coro, sob regência de Marin Alsop. No programa, “Os Planetas”, de Holst. Dentre as 75 atrações deste ano, destaque para solistas convidados, como o trompetista venezuelano Pacho Flores e o clarinetista e maestro britânico Michael Collins. Além de conjuntos de câmara, como o Brodsky Quartet, de Londres e o Duo Assad. Por medida de contenção de verbas, todas as aulas e workshops dos bolsistas serão realizadas na Sala São Paulo, aqui na capital.
Boa Noite.





Veja minha participação no Jornal da Gazeta

June 5, 2015 |

Televisão

Não é porque estamos no meio de um feriado prolongado que a cidade não oferece novidades culturais. O teatro se aproveita disso e estréia espetáculos importantes. Um dos dramas clássicos do século 20, “Um Bonde Chamado Desejo”, de Tennessee Williams, estréia hoje em nova montagem, no Tucarena, dentro da programação que comemora os 50 anos do Tuca, o histórico teatro da Universidade Católica, em Perdizes. Maria Luiza Mendonça, Du Moscovis e Virginia Buckowski vivem um dos mais famosos triângulos do teatro moderno: Blanche, Kovalski e Stella. Tennessee Williams é um craque para lidar com as fragilidades humanas, e nos transporta até situações limite que geram cenas inesquecíveis. E que dão muito trabalho ao elenco. A direção é de Rafael Gomes e o cenário de André Cortez, que trazem frescor e contemporaneidade ao texto.
Destaque também para a reestreia do Rei Lear, com Juca de Oliveira interpretando o triste rei traído pelas filhas, na tragédia de Shakespeare adaptada por Geraldo Carneiro e dirigida por Elias Andreato. A partir de hoje no teatro Eva Herz, no Conjunto Nacional.
De Paris, chega ao Sesc Pinheiros a companhia Théâtre de la Ville, em sua estréia no Brasil, com os espetáculos “O Rinoceronte” (hoje, amanhã e domingo no Teatro Paulo Autran) e “Ionesco Suite” (sábado e domingo no segundo andar da unidade). O diretor Emmanuel Demarcy-Mota, que comanda a companhia desde 2008, estuda há mais de dez anos a obra de Ionesco, ícone do século 20 e um dos principais nomes do teatro do absurdo. Na verdade, Ionesco usa o absurdo para denunciar a realidade. Por isso, o autor o denominava teatro insólito. Em “O Rinoceronte”, ele aponta a histeria coletiva calcada em ideologia, a que ele assistiu com a ascensão do nazismo. Em “Ionesco Suíte”, diretor e elenco escolheram trechos das peças do autor franco-romeno, desde “A Cantora Careca”, que o tornou conhecido, até “A Lição”. O elenco é de 13 atores, e os espetáculos são em francês com legendas. Aproveitem!
Boa Noite.