Veja minha participação no Jornal da Gazeta

November 13, 2015 |

Televisão

Waltercio Caldas apresenta, no Instituto de Arte Contemporânea, uma exposição que revela o seu modo de criar. Com cadernos de anotação abertos em páginas escolhidas, pequenos objetos, maquetes, muitos desenhos, esquetes, projetos e protótipos, ele desvenda a transformação de ideias em obras, fazendo do percurso uma nova obra. A exposição será aberta amanhã, na Faculdade de Belas Artes, onde o IAC está sediado. E fica até 19 de dezembro.
Arthur Luiz Piza também está na cidade, em dois endereços. A Estação Pinacoteca e a Galeria Raquel Arnaud fazem uma visita aos mais de 60 anos de produção artística deste excelente gravador, importante nome das artes nacionais. As mais de 200 obras expostas nas duas mostras são prova disso. No museu, estará em cartaz até fevereiro.
E A Casa, museu do objeto brasileiro, apresenta a exposição “Fio da Meada”, resultado de uma experiência realizada em Muzambinho, Minas Gerais, em 2014. Tendo o potencial têxtil artesanal como principal suporte, as designers Mari Dabbur, Marina Dias, Maria Helena Emediato e Maria Fernanda Paes de Barros criaram peças de mobiliário em parceria com grupos de artesãos locais.
Nos palcos, o destaque é para Denise Stoklos, que chega com seu novo espetáculo “Vendo Gritos e Palavras”, inspirado na obra de Julio Cortazar. A estréia é hoje no Teatro Anchieta. Stoklos, que vem da mímica, neste espetáculo dá protagonismo à palavra, tentando sensibilizar a plateia pela poesia. O cenário é da filha Thays. Até 13 de dezembro.
Destaque também para Miguel Falabella, que dirige a versão brasileira da produção “Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos”, sucesso nos palcos da Broadway e inspirado no filme homônimo de Pedro Almodóvar, de 1988. No elenco, Marisa Orth, Totia Meirelles e Juan Alba. A estreia acontece amanhã, no Teatro Procópio Ferreira.
Boa noite.




Veja minha participação no Jornal da Gazeta

November 6, 2015 |

Televisão

Os palcos paulistas estão cheios de novidades. E pelo menos uma nova experiência para o público. O Teatro Cego, da Companhia Caleidoscópio, que realiza o espetáculo “Acorda Amor” totalmente às escuras. Até a trilha sonora, toda de Chico Buarque, é tocada ao vivo, no escuro. Vozes, sons, cheiros e sensações tácteis contam uma história de amor em tempos de ditadura. O texto e a direção são de Paulo Palado. No teatro Mars, em curta temporada.
Quatro palcos do Sesc têm boas ofertas. No Sesc Vila Mariana, o brasileiro Ron Daniels, da Royal Shakespeare Company, dirige as peças “Macbeth”, às quintas e sábados, e “Medida por Medida”, às sextas e domingos. As duas têm o mesmo elenco, liderado por Giulia Gam e Thiago Lacerda. O Sesc Pinheiros, recebe Wajdi Mouawad, libanês radicado no Canadá, autor da peça “Incêndios”, estrelada por Marieta Severo, em 2014. Mouawad apresenta o monólogo “Solos”, somente hoje e amanhã. Em cena, um jovem preso num museu, questiona a vida, valores e cultura. No Sesc Santana, Roberto Alvim dirige a peça Fantasmas, de Ibsen, com um elenco que tem Guilherme Weber, Juliana Galdino, Pascoal da Conceição e Mário Bortolotto. A montagem se desenrola como um pesadelo sobre religião, hipocrisia, corrupção, loucura, incesto e eutanásia. E no Sesc Santo Amaro, Gero Camilo apresenta seu novo espetáculo “Caminham nus Empoeirados”, sobre dois atores desgarrados, que mambembeiam pela vida. É uma comédia e uma louvação ao teatro.
Finalmente, no Teatro Porto Seguro, a atriz e cantora Alessandra Maestrini faz um solo sobre o personagem Yentl, de Bashevis Singer, eternizado no cinema por Barbra Streisand. A jovem judia se faz passar por rapaz, para estudar as sagradas escrituras. Mas se apaixona e tem de rever seus planos. Música de Michel Legrand. Aproveitem.
Boa Noite.


Veja minha participação no Jornal da Gazeta

October 30, 2015 |

Televisão

Um texto de Harold Pinter inspirado num livro de Oliver Sacks estréia hoje no Teatro do Masp, em São Paulo. Impossível juntar melhores assinaturas para um espetáculo. O prêmio Nobel britânico, autor de tantos sucessos teatrais acordou um belo dia com a sensação de estar num mundo diferente. Lembrou-se do texto lido dez anos antes, do neurologista Sacks, recém falecido, chamado Tempo de Despertar. Contava a história verídica de uma mulher que saiu do coma depois de 29 anos, com a cabeça de uma adolescente, e tem de se relacionar com a irmã e o cunhado que passaram três décadas cuidando dela e tentando acordá-la. O caso é dos anos 60, o livro é dos anos 70, e a peça dos anos 80. Aqui a peça se chama Uma Espécie de Alasca, e foi adaptada e dirigida por Gabriel Fontes Paiva. Na montagem, de acabamento sofisticado, os personagens são representados por Yara de Novaes, Miriam Rinaldi e Jorge Emil.
E a Galeria Fortes Vilaça abriu esta semana uma mostra dos artistas cubanos Marco Castillo e Dagoberto Rodrigues, famosos no circuito internacional de arte como Los Carpinteros. A exposição ocupa os dois espaços da galeria, na Vila Madalena e na Barra Funda. São trabalhos inéditos inspirados na relação povo/poder, um tema recorrente na obra da dupla. No primeiro endereço, sob o título El Pueblo se Equivoca, várias obras foram reunidas para dar ao público a impressão de visitar uma fábrica de utopias. Na Barra Funda, são apresentadas duas instalações com o mesmo espírito. Galletitas dulces (biscoitos doces) é formada por bolachas de cerâmica, onde se lê a palavra corrupção em português. Constrictora é uma jiboia de 16 metros, pronta a esmagar o povo com seu bote, feita com broches tipo campanha política, com os nomes dos partidos brasileiros. Los Carpinteros vivem hoje entre Madri e Havana. Mas sua obra corre o mundo.
Boa Noite.