Veja minha participação no Jornal da Gazeta

April 3, 2015 |

Televisão

A agenda cultural paulistana é das artes visuais. É claro que haverá muita música e teatro em profusão nos próximos dias. Mas as exposições que abrem, por conta da SP Arte, é que viram destaque. A feira de arte mais importante da América Latina abre para convidados no dia 8, e para o público no dia 9, ocupando 20 mil m² do Pavilhão da Bienal, no Ibirapuera. São 140 galerias nacionais e estrangeiras. A maior parte é brasileira, e a grande maioria ainda é de São Paulo. A SP Arte vai balizar os preços do mercado, num ano em que este tem se mostrado bastante cauteloso. O fato é que a feira atrai um público interessado, comprador ou não. E por isso, a cidade se enche de boas ofertas.
Uma mostra importante abre na terça no Museu de Arte Moderna, também no Ibirapuera. Trata-se da primeira mostra no Brasil do italiano Piero Manzoni, um intenso relâmpago que chacoalhou a arte italiana e européia, de 1957 a 1963, quando o artista morreu de infarto aos 29 anos. A exposição não é grande, são apenas 28 obras. Afinal, não chegou a produzir muito. Manzoni gastou muito do seu tempo criando polêmica e fazendo manifestos.
Naquele momento, era mais profícuo pensar e viver a vanguarda do que produzí-la. Foi um Andy Warhol, antes da Pop Art. O curador Paulo Venancio escolheu pinturas monocromáticas e objetos, todos da Fondazione Manzoni de Milão. Além dessa exposição, outras dignas de nota abrem entre a terça e o sábado que vem. São a de Anselm Kiefer na White Cube,de Athos Bulcão na galeria Nara Roesler, a de Waltercio Caldas na Galeria Raquel Arnaud, a de Leda Catunda no Galpão da Fortes Vilaça, a de Alfredo Jaar, na galeria Luisa Strina, a de Saint Clair Cemin, na filial paulista da Bolsa de Arte de Porto Alegre. Além de uma grande mostra da fotografia de Geraldo de Barros no Sesc Belenzinho. Aproveitem.
Boa Noite.