Salone del Mobile de Milão

April 21, 2015 |

Arte e Design

Meu amigo Helio Bork manda notícias do Salone del Mobile de Milão. Relato impecável. Não percam.
Salone de Milão 5
“Meu amigo querido a feira, a cada ano que passa tem menos novidades e sobra menos tempo pra ver o panorama geral. Nos 3 primeiros dias, somente reuniões em salas fechadas e negociações sem qualquer charme. Desde a crise de 2008, tudo ficou mais frio… poucas criações e muitas pressões comerciais.
Salone de Milão 2
Milão, este ano, já respira um pouco melhor após 4 anos consecutivos de sofrimento criativo. As fábricas do primeiro mundo estavam sempre acostumadas a enormes investimentos para embalar criações e experiências em design novo, mas estiveram entrincheiradas para sobreviver. Agora já recomeçando e após várias aquisições e “merges” novos e poucos investimentos ressurgem para inovar. O grupo Frau é o exemplo mais clássico. Composto da centenária Poltrona Frau, Cassina e Cappellini, investiu pesado em exposições, parcerias, eventos e novidades.
Salone de Milão 3
Segue…
Lembra-se do histórico showroom da Driade? Bem… esteve fechado 3 anos após o colapso dela e agora adquirido, junto aos 2 prédios laterais do número 30 da Via Manzoni (bem em frente ao QG de Giorgio Armani) pelo grupo Frau. Ao fundo, os afescos do século XVII ainda misturados ao excepcional trabalho artesanal em couro, junta-se a Bottega Veneta para o preview de uma futura coleção de mobiliário das duas marcas. Tbm apresenta o respeito a tradição com a demonstração de como ainda produz os clássicos do começo do século XX, como o Chesterfield ou a poltrona 1919 tal qual foram criados.
Salone de Milão 1
Ainda nas ruas, os pontos altos ficaram por conta da montagem sobre o Studio Nendo, cada vez mais consolidado, com um espaço impressionante montado pela Glas Italia, no Museo Della Permanente. Muito boa também a exposição agrupada pela Interni, na Universitá del Studi onde se vêem diversas apresentações, onde valem destacar as montagens de Kengo Kuma e Daniel Libeskind em uma espécie de crítica irônica aos jardins do futuro. Vale lembrar o belíssimo trabalho de José Roberto Moreira do Vale na curadoria da Brasil S/A. Desta feita, montagem com qualidade irrepreensível.
Salone de Milão 4
Na feira, percebe-se claramente o desgaste causado pelos anos de crise. Faltam alguns, reduziram-se outros e realocaram-se vários. Além, é claro, de evidentes repetições de estruturas de anos anteriores, afim de economizar nas montagens. Volta visivelmente os mármores, metais mais escuros, foscos e novos acabamentos, tipo estanhados ou niquelados. A cor que ouve é “Greyge”. Ou seja, tudo em uma classica mistura de bege e cinzas. Ainda sobrevivem esporadicamente algumas cores vivas salpicadas de laranjas e vermelhos. As madeiras continuam escuras em sua maioria e desde o ano passado, encorporado o Eucalipto escuro, provavelmente, mostrando a necessidade de uso de madeiras de replantio. Aliás, ecologicamente corretos é o que muito se fala em todos os lugares.
Salone de Milão 7
Este ramo, por características óbvias, tem extrema sensibilidade a questões ambientais.
Salone de Milão 6
Espero ter cumprido um pouco da minha missão”



Veja minha participação no Jornal da Gazeta

April 17, 2015 |

Televisão

O fotógrafo Claudio Edinger vem pesquisando, há 15 anos, a técnica do foco seletivo, na qual coloca em evidência determinados detalhes de uma imagem, enquanto outros aparecem desfocados, como manchas. O resultado deste trabalho, testado em vários pontos do Brasil, mais Paris, Veneza e Los Angeles, é o livro “O Paradoxo do Olhar”, que acaba de ser lançado pela Editora Madalena. A edição tem 104 fotos, texto de Agnaldo Farias e coordenação de Claudia Jaguaribe. Edinger está apresentando este trabalho em exposição no Mube, o Museu Brasileiro da Escultura. Mais fotografia no Instituto Moreira Salles de São Paulo, que está apresentando uma exposição sobre o trabalho do fotógrafo americano David Drew Zingg, que viveu e trabalhou no Brasil por décadas. São cerca de 70 fotos, pertencentes ao acervo do artista, que desde 2013 está sob os cuidados do IMS. As imagens flagram situações urbanas que misturam presente e passado. Por exemplo, uma foto da Vila Itororó, no Bixiga, transformada em cortiço, mas que ainda ostenta uma escultura greco-romana. A construção mudou, mas a figura permanece, mesmo fora de contexto. Falando do Instituto Moreira Salles, em parceria com a Fundação Biblioteca Nacional, o IMS lançou hoje o portal Brasiliana Fotográfica, com mais de 2 mil fotos dos acervos das duas instituições, preciosidades do fim do século 19 e início do 1920. Na internet o endereço é brasilianafotografica.bn.br.
E para quem vai curtir o feriado de terça feira em São Paulo, a dica é ir ao show em homenagem ao cantor e compositor Gonzaguinha, que completaria 70 anos em setembro. A festa, promovida pelo Centro Cultural Banco do Brasil, será no Vale do Anhangabaú, com entrada franca. Começa às 15h, com o grupo Chicas e seus convidados: Ivan Lins, Elba Ramalho, Elza Soares e Daniel Gonzaga. Aproveitem!
Boa Noite.