Veja minha participação no Jornal da Gazeta

April 3, 2015 |

Televisão

A agenda cultural paulistana é das artes visuais. É claro que haverá muita música e teatro em profusão nos próximos dias. Mas as exposições que abrem, por conta da SP Arte, é que viram destaque. A feira de arte mais importante da América Latina abre para convidados no dia 8, e para o público no dia 9, ocupando 20 mil m² do Pavilhão da Bienal, no Ibirapuera. São 140 galerias nacionais e estrangeiras. A maior parte é brasileira, e a grande maioria ainda é de São Paulo. A SP Arte vai balizar os preços do mercado, num ano em que este tem se mostrado bastante cauteloso. O fato é que a feira atrai um público interessado, comprador ou não. E por isso, a cidade se enche de boas ofertas.
Uma mostra importante abre na terça no Museu de Arte Moderna, também no Ibirapuera. Trata-se da primeira mostra no Brasil do italiano Piero Manzoni, um intenso relâmpago que chacoalhou a arte italiana e européia, de 1957 a 1963, quando o artista morreu de infarto aos 29 anos. A exposição não é grande, são apenas 28 obras. Afinal, não chegou a produzir muito. Manzoni gastou muito do seu tempo criando polêmica e fazendo manifestos.
Naquele momento, era mais profícuo pensar e viver a vanguarda do que produzí-la. Foi um Andy Warhol, antes da Pop Art. O curador Paulo Venancio escolheu pinturas monocromáticas e objetos, todos da Fondazione Manzoni de Milão. Além dessa exposição, outras dignas de nota abrem entre a terça e o sábado que vem. São a de Anselm Kiefer na White Cube,de Athos Bulcão na galeria Nara Roesler, a de Waltercio Caldas na Galeria Raquel Arnaud, a de Leda Catunda no Galpão da Fortes Vilaça, a de Alfredo Jaar, na galeria Luisa Strina, a de Saint Clair Cemin, na filial paulista da Bolsa de Arte de Porto Alegre. Além de uma grande mostra da fotografia de Geraldo de Barros no Sesc Belenzinho. Aproveitem.
Boa Noite.


Nenhum comentário.

Deixe seu comentário: