Veja minha participação no Jornal da Gazeta

February 13, 2014 |

Televisão

O Grupo Catalão La Fura dels Baus volta a São Paulo de maneira bem menos sensacional, mas não menos criativa. Em vez da trupe, mandou uma intervenção, feita de luz e vídeo, para a apresentação da Trilogia Romana, de Ottorino Respighi, pela Orquestra Sinfonica Municipal, sábado e domingo no Teatro Municipal. No palco, apenas a orquestra e o maestro John Neschling. Tudo o que acontece em volta é a participação do Fura. O espetáculo foi criado e apresentado assim nas Termas de Caracalla, na Itália. O grupo, conhecido por megacoreografias, como a abertura dos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992, que já esteve em são Paulo nos anos 90 e há quatro anos, surpreende agora com esta intervenção eletrônica. O público paulista, acostumado a suas acrobacias em grandes espetáculos, pode estranhar, mas certamente vai gostar. O Fura, nos últimos tempos, tem feito montagens operísticas e de teatro tradicional, usando sua extraordinária criatividade. Uma amostra desse resultado está aqui, para um público curioso de música com efeitos especiais. Longe daqui, o artista plástico brasileiro Ernesto Neto abriu hoje uma grande mostra no museu Guggenheim de Bilbao, na Espanha, aquele com desenho audacioso do arquiteto canadense Frank Ghery. A arte de Neto combina perfeitamente com as volutas neobarrocas de Gehry. O artista, um dos brasileiros com melhor trânsito no circuito internacional, com obras nos acervos de museus importantes como o Centre Pompidou, de Paris, apresenta 55 trabalhos, dos anos 80 até alguns inéditos, realizados especialmente para esta exposição. Alguns de imensas dimensões. Um deles ocupa todo o átrio do museu, inclusive na altura. Em sua maioria, são obras de imersão: sejam penetráveis, ou de contato, pelo tato ou pelo olfato. Um dos objetivos principais deste criador incomum é despertar os sentidos do público visitante. A intenção já está no título, O Corpo que me leva. A mostra fica em cartaz até 18 de maio. Quem estiver por perto neste período, e ainda não conhece este museu, deveria aproveitar o gancho e ir até lá. Garanto que não vai se arrepender. E aqui mesmo, o artista Bartolomeo Gelpi se espalha hoje pela Vila Madalena, ocupando todo o espaço da Galeria Central e mais o Ateliê. Na galeria, uma mostra de obras recentes, de fase inédita. No ateliê, dois sites especificos, realizados diretamente sobre a alvenaria. Nos trabalhos de ambos os endereços, a baleia e a montanha são referências recorrentes, como a indicar uma ressurreição e uma ascensão. De fato, estes trabalhos são muito diferentes dos anteriores do artista, imbuídos da obsessão da linha reta. Entre os dois endereços, um shuttle, para maior conforto do público.


Nenhum comentário.

Deixe seu comentário: